Feira Rio Antigo ~ SteamPunk

September 3, 2010 by  

feira-rio-antigo

Ao que parece, o público Carioca começa a demonstrar interesse no Século XIX, como começa a ficar claro graças ao primeiro evento organizado que será promovido pelo pessoal do Picnic Vitoriano do Rio de Janeiro e, se de fato for assim, vale a pena mencionar que amanhã, dia 4 de Setembro de 2010, ocorre um evento cuja tradição é recente, mas cujo espírito singra o tempo em direção à Era Vitoriana.

Tratam-se dos eventos Feira Rio Antigo e Arte de Portas Abertas, que dividem o Centro da Cidade do Rio de Janeiro – Santa Teresa e a Lapa, respectivamente – em um grande mercado de antiguidades a céu aberto e em uma exposição de arte em massa.

Tanto um quanto o outro evento são imperdíveis, anacrônicos e, no caso da Feira Rio Antigo, uma excelente oportunidade de encontrar peças para aqueles acessórios SteamPunk que os SteamPlayers têm tanta dificuldade de achar – sobretudo no Rio de Janeiro.

feira-rio-antigo

O Feira Rio Antigo é uma verdadeira janela para o passado, permitindo ao visitante passear por “gôndolas” e “gôndolas” de artefatos antigos, obras de arte e pedaços das vidas de pessoas que já não existem mais. Um verdadeiro tesouro para quem deseja encontrar roupas, acessórios ou itens que possam compor seu SteamPlay.

O Arte de Portas Abertas, por sua vez, não fica muito atrás em sua viagem pelo tempo e, apesar de pular de época em época, vai deixar os Steamers maravilhados com peças belíssimas de artistas profundamente talentosos que, dentre outras coisas, expressam, em suas obras, a história recente de nosso país ao mesmo tempo que alardeiam toda sofisticação da modernidade que dela se seguiu.

Os eventos são, ambos, imperdíveis e dividem o sábado, dia 4 de Setembro, em dois programas que vão ter a condição de, ao menos por um dia, mudar a cara e o clima do Rio de Janeiro, sem exagero ajudando o Carioca a perceber que 2010 é O Ano do Vapor.

Vale conferir o programa de ambos os eventos e se preparar para um dia gostoso e pitoresco:

Arte de Portas Abertas
dias 04 e 05 e 11 e 12 de Setembro de 2010
Santa Teresa – Centro da Cidade – Rio de Janeiro

Feira Rio Antigo
dias 4 e 18 de Setembro de 2010
Rua do Lavradio – Lapa – Centro da Cidade – Rio de Janeiro

Portanto, ao Loja Rio de Janeiro do Conselho SteamPunk convida os Steamers Cariocas a fazerem um passeio diferente pelo “Centro Velho” do Rio, uma jornada pela Lapa e por Santa Teresa.

Se você vai, deixe seu recado na Comunidade da Loja Rio de Janeiro no Orkut.

Jogo SteamPunk em Flash para Meninas

September 27, 2009 by  

steampunk-dressup-dress-up-game

Há algum tempo, no site do Conselho SteamPunk, foi publicado o belissimamente trabalhado Jogo da Moda SteamPunk, de Annie Stegg.

Uma abordagem um pouco mais leve, em termos de Jogo SteamPunk, o SteamPunk Dressup Girly Flash Game tem como alvo uma demografia mais jovem e mais… “pink”.

Apesar de muito mais limitado em termos de variedades de peças, o jogo em Flash bem pode servir de inspiração para vestimentas SteamPunk e, não há dúvida, serve para que a pequena Steamer comece a identificar no vapor, no SteamPlay e na Era Vitoriana algo mais atraente.


Clique para jogar em 650×600
Clique para jogar em Tela Cheia

Ponto para a Games Trickster e para a Girls go Games.

SteamPunk Google

August 27, 2009 by  

steampunk-google-steampunkish-artigo-3

As brincadeiras do Google com sua logo começam a esbarrar em motivos bem steampunkish.

Desde a compra de seu domínio – www.google.com – em Setembro de 1997, a empresa vem brincando com disciplinas, gêneros e temas, mudando sua logo para fazer referência a grupos e elementos da cultura pop e erudita.

A brincadeira é tão corriqueira que ninguém mais se assusta e existem blogs fazendo referência e até sites dedicados a exibição destas logos – como é o caso do Google-Logos.com.

Intencionais ou não, alguns dos logos exibidos no Google remetem ao gênero SteamPunk, direta ou indiretamente, ainda que não façam referência ao período Vitoriano necessariamente.

Procure você também, no Google-Logos.com., uma logo que faça referência a Era Vitoriana ou ao gênero SteamPunk e comente por aqui!

Música SteamPunk

August 19, 2009 by  

The Clockwork Quartet

Se existe ainda grande dúvida do público em geral no que diz respeito a o que é o SteamPunk, o que dizer do conceito de “Música SteamPunk”?

Longe de nós, do Conselho SteamPunk, está a ambição em definir rigidamente um gênero tão rico em possibilidades! Afinal… quem decide o que é SteamPunk?!.

Nem todas as bandas e músicos aqui listados não são necessariamente ligadas ao gênero SteamPunk, mas todos os que constam nesta lista fazem referência ou são associados ao gênero com certa frequência, seja por afinidade, ritmo, peculiaridades, jogos de cena ou o quaisquer outros detalhes.

Vale ver os vídeos e ouvir as músicas. Quem desejar pode criticar – sabendo que não há qualquer intenção de decretar que o SteamPunk é classificação adequada para qualquer dos artistas aqui selecionados.

Abney Park

Visite o webSite do Abney Park

Unextraordinary Gentlemen

Visite o webSite de Unextraordinary Gentlemen

Vernian Process

Visite o webSite de Vernian Process

Voltaire

Visite o MySpace de Voltaire

The Clockwork Quartet

Visite o webSite

Dr. Steel

Visite o webSite de Dr.Steel

Vera Meyer

Visite a página de Vera Meyer

Tom Waits

Visite o webSite de Tom Waits

Machinarium

August 19, 2009 by  

Machinarium - Amanita Design

Jakub Dvorsky é um brilhante designer gráfico e projetista de jogos, residente na República Tcheca, que trabalha no ramo há mais de 15 anos.

Fundador da Amanita Design, sua empresa começou desenvolvendo jogos em Flash lançando mão do trabalho do animador Vaclav Blin, do codificador David Oliva, do músico Tomas Dvorak e dos arte-finalistas Jakub Pozar e Adolf Lachman.

Sua mais recente criação, contudo, foi o que fez o ponteiro da bússola SteamPunk se voltar para eles. Trata-se do jogo “Machinarium”, batizado com o nome da cidade populada apenas por robôs, na qual um pequeno robô injustamente jogado no ferro velho, acaba descobrindo uma conspiração contra o administrador da cidade.

Responsáveis pelo jogo “Samorost”, um título igualmente classificado como point&click, “Machinarium” tem a virtude de ter sido total e primorosamente animado e ilustrado por Blin, Pozar e Lachman, o que dá um ar incomum e atraente ao resultado final.

O jogo não é longo, tomando cerca de oito horas do jogador em não muito mais do que vinte telas, mas a direção de arte e o conceito estão tão bem trabalhados que a experiência acaba sendo memorável.

Fotos

Trailer

“1884: Yesterday’s Future”

August 6, 2009 by  

1884-yesterdays-future-02

É sabido que Terry Gilliam – “12 Macacos” e “Brazil, o filme” – é um animador original, criativo e com claras tendências a produção de cultura SteamPunk, o que pode ser um ótimo motivo para prestar atenção no trabalho de seu colaborador, Tim Ollive.

Escultor de modelos e animador das aberturas dos filmes “O Sentido da Vida” e “A Vida de Brian”, do grupo Monty Python, Tim Ollive vem trabalhando com o cineasta há décadas, o que foi crucial na decisão de Gilliam por ajudar Ollive em sua produção.

1884-yesterdays-future-01

Nada mais apropriado que esta prova de conceito, um trailer totalmente filmado na mesa da cozinha de Tim Ollive com o intuito de testar alguns dos efeitos para o longa metragem.

Em termos de técnica, o ar pouco requintado da produção é deliberado e tenta remeter a disfuncionalidade da tecnologia do Século XIX enquanto lança mão de um misto de marionetes, animação bidimensional e tridimensional, uma espécie de releitura do estilo que ele e Gilliam vinham impondo às produções Pythonescas.

A despeito da qualidade inequívoca da linguagem adotada pela animação, o enredo irreverente e crítico é o que mais chama atenção quando se assiste o trailer. Começando pelo título – uma possível referência a “1984″, de Gerorge Orwell – a animação brinca com o imperialismo britânico da Era Vitoriana sem deixar de fazer referência às questões atuais que têm relação com Globalização e o efeito da tecnologia na balança do poder.

Se “1884: Yesterday’s Future” sair da mesa da cozinha de Tim Ollive, pode realmente se transformar em um filme importante não só para o gênero, mas para o seu uso enquanto ferramenta crítica do nosso entorno.

“The Mysterious Geographic Explorations Of Jasper Morello”

August 4, 2009 by  

jasper-morello-artigo

O trabalho com o personagem Jasper Morello em “The Mysterious Geographic Explorations of Jasper Morello” é um magnífico exemplo do que se pode fazer com a animação de silhuetas – o que influenciou até mesmo jogos em Flash como “Little Wheel” e que tem origem no Wyang (arte indonésia de teatro de fantoches de sombra).

A obra, uma animação de curta metragem, foi candidata ao BAFTA e ao prêmio da Academia, na categoria, no ano de 2005 e não deixa dúvidas quanto a qualidade já nos primeiros segundos do bem cuidado trabalho de edição, estabelecimento narrativo e de linguagem visual.

Os filmes que compõe a obra são ambientados em um mundo estilizado pelo sucesso exagerado da tecnologia proveniente da Inglaterra Vitoriana, no melhor estilo SteamPunk, coalhando o universo proposto de dirigíveis e computadores movidos a vapor.

Tanto os personagens quanto os elementos de cena são, em grande parte, criados a partir de objetos encontrados ao acaso, misturados a texturas “renderizadas” em computação gráfica e complexos modelos tridimensionais.

A direção de Anthony Lucas tem uma evidente harmonia com o roteiro de Mark Shirrefs e com a edição de David Tait – este último responsável também pela animação tridimensional presente no filme.

Dando vida aos personagens principais estão Joel Edgerton (IMDB – que viveu Owen Lars em “Star Wars: Episode III – Revenge of the Sith”) e Helmut Bakaitis (IMDB – o Arquiteto, de “Matrix Reloaded”).

Os contos disponíveis em “The Mysterious Geographic Explorations Of Jasper Morello” são:

  • The First Voyage – Jasper Morello and the Lost Airship
  • The Second Voyage – Jasper Morello and the Return of Claude Belgon
  • The Third Voyage – Jasper Morello and the Ghosts of Alto Mea
  • The Fourth Voyage – Jasper Morello and the Ebenezer of Gothia

Moda SteamPunk ~ Luvas de Lagerfeld

August 2, 2009 by  

Karl Lagerfeld é designer de moda, diretor de criação da Chanel e possui sua própria grife além da casa Fendi. Natural da Alemanha, Lagerfeld colaborou com inúmeros projetos relacionados a arte e a moda.

Recentemente, Lagerfeld se aventurou no mundo das luvas e acabou alcançando um visual – e funcionalidade – que remetem ao SteamPunk.

Para ter-se uma idéia de há quanto tempo Luvas são usadas pelo Homem, elas são mencionadas na “Odisseia”, de Homero; em “A História de Heródoto” (440 a.c.); começaram a ser usadas pelas mulheres como ornamento a partir do Século XIII; uma Guilda dos Luveiros foi fundada em meados do ano 1200; sob o reinado de Elizabeth I, contudo, no Século XVI, foi que as luvas ficaram magnificamente mais elaboradas.

As luvas nos acompanham há muitos séculos e, embora tenham adquirido um caráter quase que meramente funcional, para Steamers podem ser acessórios que garantem o toque que faltava em um traje SteamPunk.

Seguem as fotos das idéias de Lagerfeld, que podem inspirar Steamers que praticam o SteamPlay.

SteamPunk “Epic Mickey”

July 30, 2009 by  

steampunk-epic-disney-artigo

Há alguns anos, em meados de 2005, Warren Spector – projetista de RPGs como “Top Secret/S.I.” e “Marvel Superheroes” e de Jogos de Computador como “Wing Commander”, “Deus EX” e “Thief: Deadly Shadows” – mencionara que estava envolvido, na Junction Point Studios, com o desenvolvimento de um jogo com “personagens clássicos de desenhos de Hollywood envolvendo ratinhos, gatinhos e ‘toelhinhos’”.

Depois que, em 2007, a Disney Interactive comprou a Junction Point Studios, ficou confirmado que se trata de um jogo que se passa em um cenário SteamPunk, possivelmente entitulado “Epic Mickey”, cujo conceito gráfico estaria sendo cuidado por Fred Gambino (“Tale of Despereaux”) e Gary Glover (“Ant Bully”), com apoio tecnológico da Pixar.

O jogo, ao que se pode depurar a partir das provas de conceito artístico, parece ser uma releitura pós-apocalíptica, distópica e SteamPunk do universo Disney, como se os autômatos, brinquedos e toda Epcot tivesse sobrevivido de alguma forma a um holocausto e tentado se remendar ao longo de séculos para continuar sobrevivendo.

O resultado obtido nas provas é grotesco e magnífico, o jogo, que se supõe que será lançado para a plataforma Wii, mostra uma profunda mudança de postura da Disney – se de fato o jogo for lançado – deixando de lado um conservadorismo tão primeira-metade-do-século-XX e abraçando algo tão chocante quanto uma Epcot decadente e alquebrada repousada sobre os escombros de um cachalote gigante, que engoliu Jepeto, propulsionada pelas pás do Seamboat Willie.

É de “explodir a cabeça” qualquer entusiasta de SteamPunk, de Games e da Disney!

steampunk-epic-mickey-article

Concept Art

Vídeo no YouTube

Fantasticon III – 26.07.2009 – em São Paulo

July 23, 2009 by  

fantasticon-iii-2009-steampunk-conselho-steampunk

Conforme anunciado no OutraCoisa.com.br, a Fantasticon 2009 vai contar com a minha presença na mesa junto com Fábio Fernandes e Gianpaolo Celli, em uma mesa que vai discutir o “SteamPunk e os novos rumos da Ficção Científica”.

Conforme pode ser lido no programa do evento: “Criativos, retrofuturistas no estilo e no comportamento. Esses são alguns dos conceitos do Steampunk, um gênero de ficção que explora um “mundo alternativo” movido a vapor (”steam”). Assim, temos uma fusão de “era vitoriana” com “futuro pós-apocaliptico” ou “punk” no sentido de transgredir o hoje e o passado. Algo com muitas engrenagens, com grandes zepelins voando pelos céus e seus respectivos piratas, um misto de roupas vitorianas com tecnologias que parecem do nosso tempo. Mais do que nunca, surgem novos e talentosos autores na atual Ficção Científica que expandem as barreiras do gênero. E os editores fazem a sua parte: buscam rótulos para categorizá-los. No meio de tantos rótulos e inovações, o que exatamente eles representam?”

Participantes do Evento

Fabio Fernandes é jornalista, tradutor e dramaturgo. Seus contos foram publicados no Brasil, Portugal, Romênia e Estados Unidos. Publicou a coletânea de contos “Interface com o Vampiro” (Writers) e “A Construção do Imaginário Cyber” (Anhembi Morumbi). É Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e professor pela mesma instituição. Foi curador do “Invisibilidades II” (2008), do Instituto Itaú Cultural, evento voltado para a Ficção Científica, e fará a curadoria da terceira edição, ainda em 2009.

Gianpaolo Celli, além administrador de empresas, é escritor e editor. Estudioso de ocultismo, esoterismo e mitologia. Tem matérias e aventuras-solo de fantasia na revista Dragão Brasil; é colunista do site de neopaganismo “Tribos de Gaia”; co-autor da coleção Necrópole: “Histórias de Vampiros” (2005), “Histórias de Fantasmas” (2007) e “Histórias de Bruxaria” (2008); das coletâneas “Visões de São Paulo – Ensaios Urbanos” (2006) e “Paradigmas, volume 3? (2009), e co-editor e co-autor dos livros “Histórias do Tarô” (2008) e “Steampunk” (2009).

Bruno Accioly é empresário da área de tecnologia, editor da revista de internet OutraCoisa.com.br, co-fundador do Conselho SteamPunk e responsável pela loja Rio de Janeiro. Crítico da forma como o homem se relaciona com a tecnologia, é estudioso de Filosofia e seu rebento mais bem sucedido, a Ciência. Especialista em Usabilidade – disciplina que lida com a interação homem/máquina – atua na área há mais de dez anos enquanto divide seu tempo como redator e ficcionista.

O roteiro completo do evento pode ser visto no belo site da Fantasticon.

Local do Evento


Exibir mapa ampliado

Next Page »

Stop SOPA

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/designio/public_html/rj/wp-content/themes/revolution-30/header.php:4) in /home/designio/public_html/rj/wp-content/themes/revolution-30/set.php on line 1